Postagens populares

24 de abr de 2012

Os Labirintos de Clio

A deusa Clio repousa em seu templo no Monte Paranaso. De vez em quando, ela desce à cidade dos homens espalhando seu enlevo inebriante sobre os simples mortais. Estes, movidos pelo toque celeste, destinam-se à morada de sua musa. A jornada é longa e cansativa. Muitos desistem pelo caminho, atropelados por espinhos, pedras, chuvas, tempestades em copos d’água, descidas e quedas (muitas quedas!). Mas outros resistem a tantas intempéries provocadas intencionalmente por Cronos. Este, por sua vez é implacável. Presenteia os heróis da resistência com um labirinto. Ainda a tempo de voltar! Alguns hesitam diante daquele lugar misterioso e resolvem seguir a trilha de uma parca existência, mergulhada numa tranqüilidade angustiante dos tempos de Adão e Eva sem contato com o fruto proibido. Essa pueril inocência, ou mesmo simples e decepcionante desatino, não é próprio dos poucos seres que restaram. Estes também param, mas não para hesitar/voltar e sim a para refletir, traçar estratégias de sobrevivência para aquelas passagens tortuosas que dificultam a saída que os conduzirá ao templo de Clio. Eles adentram o labirinto. Dividem-se, magnetizados e atraídos por caminhos que os conduzem coniventemente [...] Cronos continua agindo nessas passagens oblíquas entorpecendo nossos heróis com suas intempéries, mas é surpreendido com a força vital desses seres que realizam uma ioga obstinada propiciando a liberação de suas mônadas quando estes, finalmente saem do labirinto e se encontram com a musa Clio. Como prêmio, a serena musa, filha dileta de Zeus e Mnemósine, agracia seus visitantes/discípulos com o título de historiadores e, com o estilete da escrita, fixa em narrativa os seus nomes no panteão da História. Como se não bastasse, esses jovens historiadores passam também a ser vocatizados através do fruto de seus conhecimentos gerados durante a travessia pelo labirinto, fato esse que recebe notoriedade através da trombeta da fama de Clio.” Retirado da Introdução do (ótimo) livro “Labirintos de Clio – práticas de pesquisa em História”, de Demetrios Gomes Galvão, Elimária Costa Marques, Fauston Negreiros, José Gerardo Vaconcelos, José Luís de Oliveira e Silva, Joseanne Zingleara Soares Marinho, Márcio Iglesias Araújo Silva, Nalva Maria Rodrigues de Sousa, Olívia Candeia Lima Rocha, Raimundo Nonato Lima dos Santos, Roberto kennedy gomes Franco, Samara Mendes Araújo Silva, Vivian de Aquino Silva Brandim. fonte: http://cafehistoria.ning.com/group/clioamusadahistria

Nenhum comentário: